Regina
Blog Somos Maré

"A educação precisa mudar. Enquanto os estudantes forem cobrados a memorizar para o vestibular, a aprendizagem é reducionista.
Os aprendizes merecem mais." Regina Pundek

O Inglês na escola.

por Kid´s Home - 8 outubro, 2018

Por que uma escola inovadora, criativa e multietária tem um nome gringo?

É uma escola americana?
É uma escolinha de línguas?
É uma escola bilíngüe de imersão?
Mas, ensinam mesmo inglês?

Quando começamos a escola, no ano 2000, minha primeira sócia era inglesa. Para ela era mais que óbvio que somaríamos conhecimentos. Meu maior desejo era fazer uma escola onde as crianças pudessem ser livres e felizes. A neurociência afirma que não há motivos para excluir uma segunda língua do dia a dia das crianças, por isso buscamos um jeito natural e respeitoso de envolver as crianças num ambiente realmente bilíngüe, ou seja, num ambiente em que a oralidade é praticada através de duas línguas, o português e o inglês.

Não queríamos copiar iniciativas que não condizem com a nossa cultura e, muito menos com o que acreditamos sobre o processo de desenvolvimento infantil. Sobretudo somos uma escola brasileira! Valorizamos a nossa cultura, tradições e costumes. E, precisamos reconhecer a rica diversidade cultural desse país, que transcende quaisquer padrões, lindamente.

Conhecendo as necessidades de vínculo afetivo das crianças para que se sintam bem num espaço, para que se soltem e se envolvam em brincadeiras e atividades, sabíamos que é o professor do dia a dia, aquele que tão bem conhece cada um dos seus pequenos , quem precisa falar também a segunda língua com naturalidade. Sem aulas, sem horários marcados.
E, levando em consideração que toda aprendizagem demanda previamente nutrição orgânica e afetiva, encontramos uma forma de acolher e estimular sem prejudicar o equilíbrio psicológico das crianças. As crianças de nosso contexto têm a nutrição orgânica assegurada, então juntamente com as famílias buscamos oferecer a nutrição afetiva. Nossa função é atentar para as etapas do desenvolvimento, visto que as crianças chegam à escola ainda bebês, focados em si, apegados à figura materna e com a linguagem verbal começando a surgir. Compreendemos que a língua materna funciona como acalento e a segunda língua como desafio e, é desta forma que usamos as duas línguas. Durante o período de adaptação usamos somente a língua da família, para dar aconchego e pertencimento, para oferecer o conforto emocional que oportuniza o segundo rompimento do cordão umbilical.

Abraçamos, acolhemos e resolvemos conflitos em português, com o intuito de oferecer suporte para os momentos em que a afetividade é a maior necessidade. Quando a criança está nutrida emocionalmente usamos a segunda língua, prioritariamente no brincar, desenhar, pintar…

O objetivo da escola ao oferecer a segunda língua não é somente a aquisição de um novo idioma e sim, que as crianças conheçam outra cultura e tenham liberdade de se expressar como quiserem. Sabendo que as habilidades socioemocionais são TODAS na língua materna, a criança ouve o inglês na conversa entre professores, nos momentos de brincadeiras e de atividades de grupo. Essa metodologia respeita a forma como a criança quer se comunicar e ainda permite que futuramente possa estudar inglês com uma base de compreensão do idioma e o melhor de tudo: com uma memória afetiva, dos tempos de brincar.

É bastante difícil para os professores ligar e desligar o relê da segunda língua, uma hora português e noutra o inglês. Ainda mais por tratar-se de um ambiente tão caloroso como a educação infantil, que cobra a língua mãe. Montamos estratégias diversas ao longo desses anos, repensamos o uso da segunda língua a cada Semana Pedagógica. Mas a grande pergunta que sempre nos garante a continuidade é: Do jeito que praticamos o inglês é bom para as crianças?

Além disso vale ressaltar que há um preconceito em relação à escola bilingue. Muitas pessoas nos questionam: Para que essa escola é bilingue, se ao inglês está associada uma vida consumista, com valores opostos aos da escola?
Desconstruir o preconceito ao bilinguismo faz parte de nosso desafio e está acontecendo junto com a maré da transformação, naturalmente. Sabemos que a naturalidade da aprendizagem das crianças, fato confirmado em nosso dia a dia, não condiz com cobranças de aulas e nem com a imagem mercadológica, que rejeitamos. Como continuar oferecendo às crianças possibilidades e bons desafios referentes à linguagem verbal e, simultaneamente desvincular-nos da desvirtuada compreensão associada a esta questão? Seguimos buscando uma resposta!

Não queremos que o nome da escola, ou o fato de praticarmos o bilinguismo, afaste as famílias e não gere o interesse em, ao menos, virem nos conhecer. Sonhamos com a maré de transformação e renovação no mundo da educação, comunidades de aprendizagem, tribos educando crianças.
A língua? Pode ser o tupinambá ou nhengatu, o português ou espanhol, o inglês ou alemão. Pouco importa! Importa que a comunicação seja aberta e verdadeira com o respeito à voz e à escuta.

Regina Pundek

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Sobre a Maré

Mandala

Por uma educação que contribua para a formação de sujeitos pacíficos, amorosos, autônomos, respeitosos, empáticos, atuantes, pensantes, batalhadores, corajosos, lúcidos e decididos. Capazes de atuar no mundo de maneira crítica e sensível.

Ler mais...

Siga-nos

Posts Recentes

Retorno

1 novembro, 2019

Gaiolas

28 outubro, 2019